na cidade

Visitámos o stand do Seixal na Nauticampo — e contamos-lhe tudo

Em entrevista à NiS, o presidente da autarquia Joaquim Santos revelou vários detalhes sobre o futuro Centro Náutico de Amora.
O espaço tem este ano o lema: “Seixal, Uma Baía no Coração do Tejo”.

O Seixal encontra-se até este domingo, 20 de fevereiro, num dos maiores eventos nacionais relacionados com as atividades náuticas, desportivas e de entretenimento ao ar livre: a Nauticampo. Por lá, todos os visitantes podem ficar a par das mais recentes novidades referentes a modalidades outdoor.

Neste campo, no concelho do Seixal, está prestes a ficar concluído um dos projetos de maior destaque: o Centro Náutico de Amora. Tal como a New in Seixal já tinha noticiado, esta construção encontra-se precisamente na zona ribeirinha desta freguesia seixalense e servirá duas coletividades ligadas às atividades náuticas do concelho: o Clube de Canoagem de Amora e a Associação Naval Amorense.

Quanto aos objetivos, além de ser um processo que permite a requalificação da frente ribeirinha de Amora, também vai permitir melhorar as condições para que as duas instituições, juntamente com os seus atletas, possam desenvolver cada vez mais e melhor as suas modalidades sobretudo a canoagem. No entanto, não pense que as valências se ficam por aqui. Stand up paddle e barco dragão são outras atividades que serão desenvolvidas em pleno rio Tejo.

Nesta quinta-feira, dia 17 de fevereiro, a NiS esteve presente na Feira Internacional de Lisboa (FIL) e conta-lhe todos os detalhes sobre o Centro Náutico de Amora. A partir das 17 horas decorreu no stand do município do Seixal a inauguração oficial do espaço, com a presença do presidente da Câmara Municipal do Seixal, Joaquim Santos, entre outras entidades.

O stand que promove o Centro Náutico de Amora está mesmo à entrada da feira.

No decorrer da iniciativa tivemos oportunidade de ouvir a intervenção do arquiteto responsável pelo projeto do Centro Náutico de Amora, Ricardo Carneiro. Na apresentação, o projetista destacou o facto de desde logo toda a construção ter sido pensada para salvaguardar a faixa do rio, tentando ao máximo que o centro estivesse o mais próximo possível do plano da água.

Com uma construção simples em termos de projeto, o edifício composto por dois hangares não abdica da preservação topográfica e morfológica do terreno onde foi edificado e está preparado para ser funcional a cada alteração da maré. Depois, toda a estrutura é feita de madeira, um material que em termos de composição permite uma resposta mais sustentável. 

Todas as instalações do Centro Náutico de Amora estarão interligadas entre si. Haverá uma área de ginásio, de balneários e ainda uma zona polivalente, pensada para ser usada, por exemplo, como posto médico. Todas estas condições permitirão com que esta estrutura náutica se torne numa referência nacional a nível desportivo.

“O Seixal tem tido muitos exemplos à escala nacional e penso que este centro náutico será mais um bom exemplo de uma construção simples, sustentável e muito útil para as funções a que se compromete. E considero que, a partir daqui, quer o arquiteto quer as empresas construtoras vão ser solicitadas para outros projetos a nível nacional. Portanto, o Seixal encontra-se mais uma vez na linha da frente do desenvolvimento”, disse Joaquim Santos, presidente da Câmara Municipal do Seixal, em declarações exclusivas à NiS.

O autarca aproveitou a ocasião para esclarecer as razões que levaram o executivo a decidir apoiar uma construção desta dimensão náutica na zona onde se insere. “No passado, a Baía do Seixal tinha uma importância económica muito grande. Era o principal canal de transporte de mercadorias e de passageiros, de Lisboa para o Seixal e do Seixal para Lisboa e também para outras localidades. Entretanto, com a perda da importância das embarcações no transporte de passageiros e mercadorias, a Baía foi desprovida dessa função económica. Atualmente o que nós pretendemos é que, de facto, a Baía readquira novamente essa importância para a componente de lazer, desportiva e turística”, explicou.

Agora, o investimento está direcionado para esta construção do lado de Amora, mas brevemente a Câmara Municipal do Seixal irá também apoiar um projeto idêntico, do lado do Seixal. Quanto a isso, Joaquim Santos afirmou que as presentes apostas serão uma forma de ter nas “duas margens condições para oferecer à juventude do concelho”.

Na mesma entrevista à NiS, o presidente da Câmara do Seixal confidenciou que, na sua opinião, não há nenhum jovem que olhe para a infraestrutura do Centro Náutico de Amora e fique indiferente. Não apenas ao nível da beleza, já que este é um edifício construído em madeira — é sustentável — como pelas condições que oferece.

“Vai ter um conjunto de embarcações, professores para ensinar e caiaques dentro de água. Penso que estão reunidas todas as condições para que a canoagem e outras modalidades cresçam muito nos próximos anos no município do Seixal. E isso para nós é muitíssimo importante, porque de facto nós preocupamo-nos muito com o futuro dos nossos jovens. Acreditamos que devem ter também uma ligação ao rio, porque o rio faz parte da nossa história. E só fará parte da nossa história se nós o podermos vivenciar e é nesse sentido que também criamos estas infraestruturas”, apontou.

Importa ainda salientar que este é um projeto direcionado para os jovens do município. Porém, além de inovador, este será um espaço visionário. Do ponto vista desportivo, até porque, segundo explica Joaquim Santos, o Seixal é terra de muitos campeões internacionais nos escalões de juniores e juvenis e uma infraestrutura como esta vai permitir com que esses mesmos atletas se possam afirmar cada vez mais, não só no concelho, no País, como a nível internacional.

O Centro Náutico de Amora tem inauguração prevista para o final do primeiro semestre deste ano. Assim que estiver finalizado o projeto serão o Clube de Canoagem de Amora e a Associação Naval Amorense as entidades que usufruirão da totalidade deste espaço.

MAIS HISTÓRIAS DO SEIXAL

AGENDA