na cidade

Corroios vai receber o segundo maior parque da Área Metropolitana de Lisboa

O projeto do Parque Metroplitano da Biodiversidade inclui um miradouro, um lago e várias atividades ao longo do ano
O Parque Urbano da Quinta Marialva é o maior.

A Câmara Municipal do Seixal continua a apostar na biodiversidade. Depois de anunciar que iria plantar mais de 400 árvores no concelho, chega a informação de que foi aprovada a criação de um concurso público para um novo parque.

Na reunião do município no início do mês de fevereiro foi anunciada a adjudicação do concurso público para a construção da primeira fase do Parque Metropolitano da Biodiversidade Alto da Verdizela, em Corroios. O valor do concurso é de 444 894,30€ (mais IVA) e tem um prazo de execução de 270 dias.

A New in Seixal contactou o vereador responsável por este projeto para saber mais sobre o parque. Joaquim Tavares explicou a escolha deste local com o facto de ser ” uma zona calma e de contacto com a natureza, perto das praias e em estreita ligação com a vizinha mata da Quinta da Apostiça com as suas lagoas, flora e outros interesses naturais”.

Um espaço para ser utilizado todo o ano

O Vereador do Pelouro do Ambiente, Bem-Estar Animal, Serviços Urbanos e Proteção Civil revelou que o projeto quer tornar este espaço num local a visitar “ao longo de todo o ano”. No verão e na primavera, o clima favorece as atividades físicas ao ar livre. Já no resto do ano, a componente de sensibilização ambiental será destacada, uma vez que os habitats naturais apresentam uma maior atividade biológica. 

É este o projeto.

O parque poderá ser utilizado por utentes com mobilidade reduzida e os bancos serão feitos em material reciclado. Além disso, vai ter uma vedação e os veículos motorizados não poderão entrar — permitindo assim a passagem livre de pessoas, bicicletas, pessoas de mobilidade reduzida e veículos de emergência e de manutenção.

Em termos de estruturas, o Parque Metroplitano da Biodiversidade Alto da Verdizela, terá um Espaço de Educação Ambiental. Este edifício destina-se a servir de apoio aos utentes do Parque e da Rede de Trilhos e “pretende ser um marco na paisagem de promoção de conceitos para o futuro, como a Ecologia”. Vai também haver casas de banho, uma sala multiusos, um ponto de venda de bebidas e comidas e ainda um miradouro.

Vai ter uma vista incrível.

Localizado numa zona cimeira da encosta, junto aos vários caminhos pedonais existentes e a cerca de 150 metros da entrada, é uma das principais atrações do novo espaço. Esta localização tem várias vantagens, como infiltrar-se suavemente na paisagem, ser facilmente reconhecido a partir da entrada e ter uma rampa de acesso para utentes de mobilidade condicionada.

Este parque, quer seja pela sua dimensão ou localização, vai ter um papel importante nos espaços verdes e de recreio do Seixal. Numa fase inicial, vai ocupar cerca de 7 hectares, mas o objetivo é que ocupe mais tarde um total de 400 hectares e que seja “o segundo maior parque da Área Metropolitana de Lisboa, depois de Monsanto”, afirmou o presidente da Câmara Municipal do Seixal, Joaquim Santos.

MAIS HISTÓRIAS DO SEIXAL

AGENDA