na cidade

Chaminé da antiga fábrica da Mundet está a ser requalificada

A intervenção começou no edifício das Caldeiras Babcock & Wilcox.
A fábrica foi a maior exportadora de cortiça do mundo.

A chaminé da antiga fábrica de cortiça da Mundet, no Seixal, está a ser requalificada. A intervenção começou no famoso edifício das Caldeiras Babcock & Wilcox, com trabalhos de reparação e pintura.

Segundo Manuela Calado, vereadora da Câmara Municipal do Seixal, o objetivo da intervenção é “requalificar o equipamento, que faz parte do património histórico do município e do País”. O investimento é de cerca de 35 mil euros.

A fábrica L. Mundet & Sons instalou-se na Quinta dos Franceses, no concelho do Seixal, em 1905. Em poucos anos, transformou-se na maior exportadora de cortiça do mundo.

Chegou a empregar mais de 2500 pessoas, a maioria delas mulheres e foi considerada muito avançada para o seu tempo. Tanto que na década de 30, os empresários da Mundet construíram refeitórios para os trabalhadores onde também era servida a chamada “sopa dos pobres” à população mais carenciada do Seixal.

Como a maioria das funcionárias eram mulheres, a Mundet até tinha uma creche e um jardim de infância para os miúdos estarem mais próximos das mães durante o dia. No entanto, a concorrência dos produtos em plástico ditou o fecho da L. Mundet & Sons no final dos anos 80.

Ainda assim, o espaço não morreu. Depois da compra da antiga fábrica pela Câmara Municipal do Seixal, algumas das áreas foram transformadas em museu, onde os visitantes podem perceber o processo de produção da cortiça.

MAIS HISTÓRIAS DO SEIXAL

AGENDA