na cidade

“Brincar não escolhe idades e todos devemos fazê-lo”

A psicomotricista Vanessa Estevão desafia toda a população a não perder a vontade de brincar. Leia o novo artigo de opinião.
Todos devemos continuar a fazê-lo.

Brincar é um direito estabelecido na Convenção dos Direitos da Criança. Trata-se de toda e qualquer atividade que permita o ser humano parar e conectar-se consigo próprio, estando simplesmente a divertir-se. Brincar deve fazer parte da nossa rotina diária de bem-estar e autocuidado. É fundamental para o desenvolvimento em qualquer faixa etária. Brincar é para todos e não escolhe idades.

No passado sábado, 28 de maio, celebrou-se o dia do brincar e não foi por acaso que há um ano a página do MOVIMENTO BRINCAR! foi aberta ao público do Instagram. O objetivo passava por, através desta plataforma, sensibilizar famílias, escolas e a comunidade para a importância de brincar para aprender e de aprender a brincar.

O ato em si é uma competência inata ao ser humano, que se vai aperfeiçoando e especializando ao longo da vida, que estimula o desenvolvimento e que promove através do lúdico inúmeras oportunidades para aprender. A pensar em tudo isso, a equipa do MOVIMENTO BRINCAR! começou por criar um portal de informação em que, através do conhecimento e experiência de profissionais de várias áreas, tentava partilhar mais sobre o brincar na terapia, na escola e na família.

Foi assim que também cresceu ao longo deste último ano o nosso projeto. Depois de brincarmos nas escolas todas as semanas com cerca de 70 miúdos ao longo desde ano letivo, queremos chegar mais longe. E queremo-lo porque estamos convictos que o brincar não escolhe idades. Hoje o objetivo da projeto seixalense passa por levar esta experiência do MOVIMENTO BRINCAR! às famílias.

O foco esteve nas famílias que durante estes dois últimos anos de pandemia sentiram necessidade de se tornarem mais criativas e de investirem diariamente em novas formas de brincar com os seus filhos, que se tornaram mais interessadas pela estimulação e quiseram aprofundar a história do desenvolvimento.

Sabemos que a base do desenvolvimento é sensorial e que, se assim o é, sentir molda a nossa mente e o nosso corpo, levando-nos a agir e a pensar para aprender. É assim que se desenvolve a aprendizagem no brincar e tendo à disposição oportunidades variadas de ser e de sentir. Aliando a psicomotricidade à estimulação multissensorial, seguindo os pilares do MOVIMENTO BRINCAR! — a liberdade, o respeito, a consciencialização, a inclusão, a criatividade e a interação — decidimos apostar nos ateliers BRINCAR EM FAMÍLIA.

Neste evento, pais e filhos podem viver um momento de conexão e de bem-estar, brincando e aprendendo em conjunto sobre si e sobre a relação entre pais e filhos. “Gostámos tanto de brincar e ajudou-nos a perceber enquanto família a importância destes momentos”, relataram os últimos participantes.

Brincar deve ser uma rotina, mas na correria dos nossos dias nem sempre paramos para nos escutar; nem sempre conseguimos estar disponíveis para ouvir e interagir com os miúdos; nem sempre temos tempo de comunicar e de partilhar momentos, connosco e com os que nos rodeiam.

Desta vez, a pensar na partilha e na reflexão que esta temática nos traz, arriscámos no projeto CONVERSAS A BRINCAR. Aqui, convidámos este mês de maio profissionais de diferentes áreas — terapia da fala, psicomotricidade e psicologia — para nos dar conta na primeira pessoa e através das suas experiências profissionais vários aspetos.

Estão entre eles o facto de ser importante brincar na terapia; envolver os pais na estimulação dos seus bebés e do quanto o brincar promove a construção desta relação pais-filhos desde o primeiro momento; da importância de partilhar momentos com os filhos adolescentes e de se ajustarem aos interesses uns dos outros, mas também do quanto é rica a partilha entre culturas e de como temos tanto a aprender ao brincar com a diferença.

No MOVIMENTO BRINCAR! queremos continuar a brincar com os mais novos, a consciencializar as famílias para a importância de estarem disponíveis e de fazerem do brincar a sua rotina e a sensibilizar as escolas para os benefícios de aprender pelo brincar. Desta forma, conseguimos promover uma maior consciência do Eu, melhorar a interação e o relacionamento com os pares, aperfeiçoar as suas habilidades motoras, desenvolver o raciocínio, atenção e a imaginação, provando pela liberdade que o brincar permite tornar-nos seres mais criativos, confiantes e capazes.

Acredito que se queremos conhecer um miúdo, a melhor forma de fazê-lo é brincar com ele, seguir os seus interesses, observar e imitar os seus movimentos e descobrir como pensa o mundo pelo seu olhar. Esta é a forma mais simples de se compreender o desenvolvimento, usando os sentidos e descobrindo as emoções que se aprendem e se partilham na interação quando se está a brincar com um miúdo.

Depois ao longo da vida é só continuar a seguir esta mesma rotina, de sentir e de bem-estar, conectando-se com o seu interior, explorando os seus interesses, descobrindo novos e proporcionando todos os dias um momento lúdico e de cuidado do corpo, físico, mental e emocional. E tudo isto é brincar, porque o brincar não escolhe idades.

Aproveite para seguir a página do MOVIMENTO BRINCAR! e descubra onde e quando a equipa estará brevemente. O próximo evento é já no dia 4 de junho, sábado, no concelho do Seixal. O objetivo da sessão é que os miúdos e famílias usem a liberdade e espontaneidade que o brincar permite para construírem laços e reforçarem a sua união.

MAIS HISTÓRIAS DO SEIXAL

AGENDA