fit

O petit gateau saudável (perfeito para viciados em chocolate)

Esta sobremesa está sempre entre as favoritas de miúdos e adultos e não precisa de ser chef profissional para ser um sucesso.
Quer fazer pessoas felizes?

Se quer ver alguém que adora chocolate satisfeito é dizer-lhe “petit gateau”. E mesmo quem não é apreciador de chocolate (será que os há?) dá a mão à palmatória quando lhe oferecem um petit gateau.

Durante muitos anos, esta delícia era quase exclusiva de restaurantes mais requintados. Mas agora já não é assim e pode fazê-lo em casa sem grandes complicações. É isso mesmo que prova Teresa d’Abreu, mais conhecida por Healthy Bites, a influencer de alimentação que mora em Corroios.

Esta receita de petit gateau é deliciosa. É uma saborosa explosão de chocolate e segundo confessa: “a sobremesa para o Homem cá de casa tem de ser de chocolate e nada melhor que um petit gateau, uma das suas sobremesas preferidas”. E prepara-se para quebrar todos os mitos de que só um profissional é capaz de colocar este prato na mesa.

Com apenas cinco ingredientes e pouco mais de 30 minutos na cozinha, entre a preparação e a confeção, você vai impressionar. Não tem como errar.

Ora anote bem a receita.

Do que precisa

— 1 ovo
— 1/8 chávenas de açúcar de coco ou Xilitol
— 2 colheres de sopa de farinha de amêndoa
— 1/4 de chávena de óleo de coco
— 80 gramas de chocolate negro (usei 85 por cento cacau)
— q.b. Cacau em pó para polvilhar as forminhas

Como se faz

Comece por derreter o chocolate com o óleo de coco. De seguida bata o açúcar com o ovo. Junte o chocolate ao ovo e acrescente a farinha de amêndoa. Misture bem esta massa e coloque nas forminhas previamente untadas com óleo de coco e cacau em pó e leve ao forno pré-aquecido a 180 graus entre oito a 12 minutos.

Depois é esperar, mas atenção que os tempos de cozedura dependem do forno, sendo que o objetivo é que a “capa” exterior cozinhe e o interior fique bem líquido. Acompanhe o passo-a-passo. E se não sair perfeito na primeira vez é ir tentando até afinar os tempos de cozedura.

MAIS HISTÓRIAS DO SEIXAL

AGENDA