fit

Muitos portugueses só limpam a casa quando já está (muito) suja

Estudo da Dyson Global Dust Study conclui que muitos não sabem que os animais podem transportar vírus e fezes de ácaros.
Os cuidados têm de ser maiores para evitar doenças.

Quase metade dos portugueses — mais precisamente 42 por cento —permite que os animais de estimação durmam na sua cama, mas apenas 27 por cento aspiram o colchão regularmente. É uma das conclusões do mais recente estudo realizado pelos microbiólogos da Dyson.

A investigação, denominada “Dyson Global Dust Study”, foi publicada esta quarta-feira, 10 de maio e procura perceber os hábitos e os comportamentos de limpeza da população mundial e o impacto que o pó doméstico pode ter no bem-estar da população.

Outras das conclusões preocupantes para os investigadores relativas às rotinas de limpeza nacionais é que cerca de um terço dos portugueses só limpa a casa quando está realmente suja.

A pesquisa, em que participaram 32.282 pessoas de 33 países, revela que 42 por cento dos portugueses limpam as suas casas com tanta ou mais frequência do que no ano passado, o que poderá ser um hábito positivo que ficou dos piores meses de pandemia. No entanto, 31 por cento admitem que “a razão pela qual limpam as suas casas é porque têm pó ou sujidade visível no chão”.

Monika Stuczen, investigadora e microbióloga na Dyson confessa que estes números “são preocupantes porque ao limparem apenas quando detetam pó no chão, ou seja, já quando existem muitas mais partículas microscópicas de pó nas superfícies do que as que são visíveis”. A especialista sublinha ainda que “nessa altura é muito provável que os ácaros já se estejam a acumular”.

“Os pêlos dos animais acumulam pólenes e fezes de ácaros” 

Durante os vários confinamentos impostos pelas medidas de controlo da pandemia de Covid-19, muitos portugueses acolheram animais de estimação. De acordo com a investigação da Dyson, metade dos agregados familiares em todo o mundo inclui agora um ou mais cães ou gatos. Em Portugal, esse número é superior: 63 por cento das famílias têm um animal.

Ter um cão ou um gato exige um maior cuidado com a limpeza, sobretudo devido aos pêlos dos bichos. E a exigência aumenta se permitirem que os seus melhores amigos durmam nas suas camas. Algo que acontece com frequência em muitas famílias que têm animais em casa. Porém, poucos donos estão conscientes dos pólenes e fezes de ácaros que os animais transportam no pêlo, e como consequência, para as camas.

Os especialistas recomendam que se aspire com regularidade os colchões e sofás, mas apenas 27 por cento dos portugueses o fazem com frequência. Esta falta de higiene tem consequência graves para a saúde, alerta a especialista.

“Muitas pessoas pensam que o pêlo é o maior problema dos seus animais de estimação porque é o mais visível”, explica. “Não é surpreendente que as pessoas desconheçam as outras partículas que os seus animais podem transportar, porque estas são frequentemente de tamanho microscópico.”

É comum pensar que o pêlo dos animais de estimação desencadeia alergias. No entanto, algumas são causadas pelos alergénios que são transportados no pêlo. Embora quase metade dos portugueses com animais de estimação os escove pelo menos uma vez por semana, três em cada quatro fazem-no utilizando apenas um pente. Isto reduz a quantidade de pêlo que os animais de estimação perdem pela casa, mas não os impede de continuarem a transportar e a espalhar partículas microscópicas.

Pano húmido ou aspirador?

O “Global Dust Study” revela que os aspiradores são vistos como o método mais eficaz para eliminar o pó em casa. Mesmo assim, os panos húmidos continuam a ser a principal ferramenta de limpeza dos inquiridos a nível mundial: 67 por cento usa este método, enquanto os aspiradores estão em segundo lugar. Já em Portugal, 87 por cento utiliza o aspirador nas suas limpezas.

A utilização de um pano húmido pode não ser a melhor opção. Humedecer o pó do chão — mesmo o pó mais fino, invisível a olho nu — pode criar um habitat mais favorável à proliferação de ácaros e bolores”, explica a investigadora. “O pó é removido de forma mais eficaz aspirando primeiro, antes de se passar à limpeza das superfícies. Mesmo assim, é essencial utilizar um aspirador com tecnologia de filtragem e selagem eficaz para assegurar que o que quer que seja aspirado fique retido e não seja soprado de volta para as superfícies.”

O “Dyson Global Dust Study” foi realizado entre 14 de fevereiro e 7 de março de 2022, através de um inquérito online com a duração de 15 minutos. “Os dados e o número de participantes foram ponderados globalmente para serem representativos, apesar da diferente densidade populacional de cada país”, dizem em comunicado.

MAIS HISTÓRIAS DO SEIXAL

AGENDA