fit

Estes são os piores queijos Flamengo à venda nos hipermercados portugueses

É a variedade deste lacticínio mais consumida em Portugal, porém, existem versões que são verdadeiras bombas de gordura.
Faz parte do dia-a-dia dos portugueses.

Em saladas, em sandes, em tostas ou como entrada. O queijo é consumido de muitas formas e fica bem com tudo. Nas casas portuguesas marca tanta presença como o pão. Algo fácil de perceber, ou não fosse este laticínio um dos acompanhamentos favoritos dos portugueses. Entre as várias qualidades de queijo, há uma que de destaca: o Flamengo, o mais consumido em Portugal.

Muitos podem pensar que é uma criação de origem nacional não fosse o nosso País um grande produtor deste tipo de queijo. Porém, estão enganados. Foi na cidade de Edam, antigamente chamada Flandres (nos Países Baixos), que nasceu este queijo feito com leite de vaca. O nome da cidade remete-nos para outra variedade muito conhecida, o queijo Edam. Este é, na verdade, muito semelhante ao Flamengo, tanto nas características, como no sabor. A diferença é que este lacticínio holandês é feito com leite de vaca e de cabra, enquanto a variedade produzida em Portugal desde o século XIX — numa tentativa de replicar a receita do Edam — é obtido através da coagulação do leite de vaca depois da sua pasteurização.

A iguaria conquista todos por onde passa. Segundo os últimos dados disponíveis, este derivado do leite é um dos mais consumidos do País. Em 2021 quase 90 por cento da população nacional admite ter consumido queijo nos últimos meses. Sendo que desses 81 por cento preferiu o Flamengo.

Além de delicioso, este queijo, quando consumido com moderação, tem também benefícios para a saúde. Segundo a nutricionista Bárbara de Almeida Araújo “é rico em cálcio, proteína e também gordura animal, e é naturalmente isento de lactose”. O consumo deste alimento ajuda a regular o índice glicémico (açúcar no sangue) e é rico em fósforo e zinco. Além disso, é fonte de probióticos, o que quer dizer que contribui para a saúde intestinal. Porém, isto não se aplica a todas as marcas de Flamengo que encontramos à venda nos supermercados.

Na prática, pode ver as coisas desta forma: o tom deste queijo varia ligeiramente consoante a marca e os que apresentam uma tonalidade mais amarelada são mais ricos em gordura. Porém, o melhor é consultar sempre a tabela nutricional e a lista de ingredientes. O teor de gordura saturada é um indicador a ter em conta no caso destes alimentos. Esta é responsável pelo aumento do colesterol LDL (o mau) no sangue, que quando atinge níveis muito altos, pode contribuir para o aparecimento de doenças cardiovasculares. A nutricionista alerta ainda para a possível presença de aditivos “como bicarbonato de sódio, acidificantes, nitrato de sódio, natamicina e corantes, que podem constar na lista e não são benéficos para o organismo”.

Este queijo é tão popular que praticamente todas as marcas de lacticínios e retalhistas têm a sua versão — uma vasta oferta que dificulta a escolha da melhor opção. A nutricionista Bárbara de Almeida Araújo analisou, tendo em conta as calorias, a quantidade de gordura saturada e as proteínas das versões de cada marca e fez um raking das piores para a saúde.

Carregue na galeria para conhecer a lista completa, desde da melhor opção até àquela que deve mesmo evitar.

MAIS HISTÓRIAS DO SEIXAL

AGENDA