fit

Com tantos tipos de dieta, qual é a mais indicada para seguir?

A nutricionista seixalense Mariana Machado responde a todas as dúvidas neste novo artigo de opinião para a New in Seixal.
Tome nota.

A dieta, como geralmente é conhecida, ou a reeducação alimentar, diz respeito a uma mudança nos hábitos alimentares. Na prática, é um método capaz de ensinar a alimentar-se corretamente e de acordo com as necessidades do corpo. As dietas alimentares têm em conta múltiplos fatores e sugerem uma alimentação mais equilibrada para a pessoa. Os resultados podem ir depois desde a perda ou ganho de peso ao controlo de doenças, como a diabetes ou a hipertensão.

Como se sabe, existem muitos tipos de dieta, dedicadas aos mais diferentes motivos. Vão de questões ideológicas, como as veganas, até às direcionadas a aspetos mais estéticos. Entre este universo, conheça neste artigo cinco estilos de dieta, cada um com as suas especificidades. No fim, há ainda espaço para saber mais sobre a sua dieta. Sim, leu bem. A dieta que deve adotar consoante os vários fatores com que se depara no seu dia a dia.

Mediterrânea

A dieta mediterrânea, como o próprio nome indica, vem da população dos países banhados pelo mar Mediterrâneo. Ela deve ser adotada como um estilo de vida, já que tem como objetivo a longevidade, além da prevenção das doenças crónicas. Para isso, é incentivada a ingestão de frutas, hortaliças (verduras e legumes), cereais integrais, azeite de oliva e peixe. Também recomenda um menor consumo de carne vermelha e produtos industrializados, além da prática de atividades físicas leves três vezes na semana.

Vantagens

— Ajuda a enfrentar problemas cardíacos, o colesterol alto e também a hipertensão por reduzir a quantidade de gordura saturada da alimentação.
— Conta com laticínios, ricos em cálcio.

Desvantagens

—  Implica maior atentação à quantidade dos alimentos mais calóricos ingeridos, como azeite, castanhas e o próprio vinho para não ter o efeito contrário.

Dieta low carb

A dieta low carb é um estilo de alimentação onde se diminui a ingestão de alimentos ricos em carboidratos, como pão, macarrão e tapioca, e se aumenta o consumo de proteínas, como ovos, carne, peixe e frango, e gorduras de boa qualidade provenientes do azeite, nozes e abacate, por exemplo. Esta dieta é composta por vegetais pobres em carboidratos e ricos em fibras, como chuchu, espinafres, abobora e o aumento da quantidade de alimentos ricos em proteína, como peixe, ovos ou carnes magras e gorduras boas, que contribuem para a redução do apetite.

Além disso, na dieta low carb a ingestão regular de frutas, vegetais e castanhas, que são ricos em antioxidantes, vitaminas e minerais, ajudam a diminuir os níveis de colesterol, triglicerídeos e açúcar no sangue, prevenindo doenças como enfartes, diabetes e obesidade.

Vantagens
— A perda de peso é rápida devido ao consumo limitado de carboidratos.
— Essa mesma limitação também pode ajudar a melhorar graves condições de saúde como diabetes, pressão alta, síndrome metabólica e doenças cardiovasculares.
— Tal como as dietas à base de proteínas, a low carb sacia por mais tempo após a refeição.

Desvantagens

—  Existe a perda de músculo junto com a gordura, o que deixa o metabolismo mais lento.

Dash

A DASH (Dietary Approaches to Stop Hypertension) tem como principal objetivo a prevenção e tratamento da hipertensão. Esta dieta já foi eleita a melhor por, segundo os especialistas, promover a perda de peso e estimular uma alimentação mais nutritiva. A dieta Dash tem como base o consumo de frutas frescas, vegetais (verduras e legumes) e laticínios magros. Abrange todos os grupos alimentares, incentiva a ingestão de fibras e a prática de pelo menos uma atividade esportiva.

A dieta ainda desaconselha o consumo de produtos que elevam a pressão arterial, como gordura saturada, açúcar, industrializados, sal e carne vermelha. Embora o seu foco não seja a perda de peso, se seguida à risca, ela colabora para esse objetivo.

Vantagens

— Os alimentos escolhidos são ricos em nutrientes que ajudam a baixar a pressão arterial (os resultados podem aparecer em apenas duas semanas).

— Além disso, a alimentação é rica em fibras e ajuda a reduzir os níveis de colesterol, resultando na perda de peso.

Desvantagens

— Por ter como objetivo a redução da pressão arterial, quem já tem predisposição à pressão baixa, pode apresentar sintomas como tontura e mal-estar.

Paleo

Esta dieta é uma opção para as pessoas que desejam reduzir o peso ou controlar melhor os níveis de açúcar no sangue, através de algumas modificações no seu estilo de vida. Esta alimentação é baseada sobretudo no consumo de alimentos frescos e naturais, evitando alimentos processados, e sendo rica em fontes de gordura saudáveis, nozes, carnes com baixo teor de gordura, peixe e marisco. O segredo é tentar seguir uma alimentação como existia há milhões de anos atrás: carnes vermelhas, sementes, castanhas e carboidratos (provenientes desses ingredientes).

Vantagens

— Alta ingestão de antioxidantes, fibras, vitaminas e baixa ingestão de sal.
— Mudança do estilo de vida como um todo: elimina o tabagismo (e o alcoolismo) e incentiva a prática de exercícios físicos como nos antepassados.

Desvantagens
— A exclusão de leites e derivados pode levar à deficiência de cálcio, por estes serem as principais fontes.

Dukan

Neste caso, a dieta baseia-se principalmente em proteína e é composta por várias fases. A fase inicial, por exemplo, com a total restrição de carboidratos, alguns legumes e até mesmo as frutas, que vão sendo inseridas aos poucos na dieta. Há, contudo, uma nova versão da dieta do médico Pierre Dukan. Desta vez oferece recompensas e uma maior quantidades de alimentos que podem ser consumidos. Para além disso, o tempo de duração das outras fases varia conforme a perda de peso de cada pessoa e os únicos doces que se pode comer nesta dieta são o pudim de ovos com leite desnatado do Dr. Dukan e a gelatina light sem açúcar.

Vantagens
— As proteínas são nutrientes de digestão lenta, o que contribui para prolongar a sensação de saciedade.
— O consumo das proteínas ajuda a preservar a massa magra do corpo.

Desvantagens
— Pelo facto de ser muito restritiva, priva o organismo de vitaminas, sais minerais e fibras.
— O baixo consumo de carboidratos pode resultar na falta de energia e também em constipação, pelo pouco consumo de fibras.
— Há quem sinta um desconforto gástrico maior, pois as proteínas têm um processo de digestão mais lento.

A dieta individual apoiada por um profissional

Para fazer uma alimentação saudável e equilibrada e que favoreça a perda de peso é necessário fazer algumas mudanças nos hábitos alimentares e adotar estratégias simples, que permitam aumentar a sensação de saciedade, diminuir a fome e acelerar o metabolismo. No entanto, quando se deseja perder peso, o ideal é procurar a orientação de um profissional, para que através de uma avaliação completa seja elaborado um plano alimentar adaptado às necessidades e aos objetivos de cada pessoa, permitindo que a perda de peso se mantenha ao longo do tempo. Aliás, seja tanto para perda, ganho de peso ou ainda para uma reeducação alimentar.

De um modo geral, numa dieta equilibrada, o consumo de alimentos ricos em hidratos de carbono é de 55 por cento; 30 por cento de gorduras e 15 por cento restante de proteínas, o que se traduz em aproximadamente 300 gramas de hidratos de carbono por dia. A quantidade que deve ser consumida dependerá de cada caso em particular e das necessidades energéticas de cada pessoa.

O importante é sermos pessoas felizes, motivadas, recordarmos o nosso objetivo e mantermos o foco. Isto para que qualquer que seja a dieta a seguir sejamos capazes de conquistar a nossa melhor versão. Para saber mais sobre esta questão (ou outras) pode marcar uma consulta, presencial ou online, com a nutricionista Mariana Machado através da página de Instagram, através do site, do email (mmnutricoach@nullgmail.com) ou do contacto telefónico (937 952 587).

MAIS HISTÓRIAS DO SEIXAL

AGENDA