fit

As duas amigas que abriram um espaço de ioga na Amora

Este novo spot no concelho é a escolha perfeita para o seu momento semanal de relaxe.
As duas amigas.

Durante o confinamento foram vários os portugueses que se viraram para a meditação ou ioga como forma de escape de pandemia ou de descoberta. No entanto, estas práticas já eram praticados por muitos há vários anos, como é o caso de Márcia Viana e Camilla Santos, que abriram agora um novo espaço na Amora.

“Sou professora de ioga há 7 anos e comecei a trabalhar primeiro com crianças. Só depois é que senti a necessidade de me preparar melhor para estar com crianças e foi então que fiz a formação para adultos”, conta-nos Márcia Viana, uma das responsáveis da Casa Samyama.

Ainda assim, o percurso desta seixalense até chegar a este universo é complexo. Márcia tem formação académica enquanto médica veterinária, sendo que viveu no estrangeiro até 2012. Nessa altura, já praticava ioga, porque tem duas hérnias, mas o panorama da medicina veterinária não estava muito favorável.

Como tinha sido mãe recentemente queria também dedicar-se mais à família e não ter que abdicar do crescimento do filho. Desta forma, dedicou o seu percurso profissional, por exclusivo, ao ioga, fazendo várias aulas em diferentes espaços e workshops em escolas.

Foi neste período que conheceu Camilla Santos, a amiga e agora sócia do novo espaço na Amora. Como tinha um marido português, os dois decidiram em conjunto vir morar para Portugal há cinco apenas. A paixão pelo ioga começou bem cedo, aos 16 anos, mas acabou por interromper por causa da profissão na área da comunicação e dos filhos.

Na mudança para Portugal decidiu que estava na altura de mudar de profissão e dedicar-se a uma área que permitisse o autoconhecimento. “Comecei a dar aulas de ioga para crianças, mas depois senti necessidade de fazer formação para adultos. Nesse percurso conheci a Márcia, que foi minha professora”, revela Camila.

A escolha da Amora

Em conjunto com Márcia, as duas perceberam que tinham uma visão do ioga muito semelhante: terapêutica. Desta forma, e sem muito pensamento, sentiram que estava na altura de terem um projeto só dedicado ao ioga. “Nós basicamente acordamos e decidimos que vamos abrir um espaço de ioga”, conta Camila, entre risos.

Enquanto Márcia já andava há cerca de um ano a necessidade de ter o seu próprio projeto, foi apenas em maio que a Casa Samyama começou a ganhar alguma cor. Em junho encontraram um espaço, no mês seguinte já tinham a loja e em agosto já faziam algumas aulas —  a abertura oficial aconteceu em setembro.

“Era importante que o espaço tivesse determinadas caraterísticas, nomeadamente a luminosidade, a proximidade com parque e que pudesse dar a possibilidade dos pais levarem um filho às aulas e o outro ao parque. A zona da Amora foi por isso uma zona central e com uma comunidade muito acolhedora.”

O nome do espaço pode parecer estranho ouvido de fora, mas tem um motivo. Escolheram casa, porque o objetivo é que os alunos se sintam em casa, enquanto Samyama é um termo em sânscrito (língua sagrada do ioga) que quer dizer união, integração e conexão.

Tem vários aulas para todos os gostos

O conceito é simples: ioga, meditação e saúde integrativa. O objetivo é que as pessoas vejam o ioga de uma forma integral, ou seja, que sintam que é muito mais do que colocar com o pé atrás da cabeça. No final de cada sessão, as responsáveis querem que os alunos saiam melhor, quer fisicamente como mentalmente, do que entraram no espaço. 

Aqui pode encontrar diferentes tipos de aulas (e modalidades). Se quiser meditar pode optar por uma mensalidade de medição por 20€, com aulas online todas as segundas-feiras das 7 às 17h30. Mas, se o seu objetivo for praticar ioga há mais opções. Uma aula avulso, sem necessidade de marcação prévia, por exemplo, custa apenas 10€.

Uma das aulas.

Para quem tem uma hora semanal para dedicar à prática de ioga pode optar por uma mensalidade de 25€, com uma aula semanal de uma hora, que tanto pode ser online ou presencial. Para os mais dedicados há um pacote de três aulas por semana de uma hora com um custo de 40€.

Os bebés e os miúdos também têm aulas especiais, que decorrem aos sábados quinzenalmente. Por exemplo, dos dois aos 24 meses acontece das 9 às 9h45 — a mensalidade é de 18 euros, enquanto uma aula avulsa custa novamente 10€. Além das aulas de yoga, há também terapias individuais, como reiki, acupuntura, fisioterapia integral e ioga restaurativo. Há também planos de realizarem vários workshops nos próximos meses.

Embora o destaque (e a preferência) vá para as aulas presenciais, com a pandemia perceberam que havia potencial no mercado online e não vão deixar passar esta oportunidade. As inscrições já estão abertas e basta preencher alguns dados pessoais neste formulário. O resto é responsabilidade das amigas, que prometem uma experiência verdadeiramente transformadora. Já a maioria dos clientes continua a ser as mulheres e os filhos, mas já há uma mudança de paradigma, com cada vez mais homens a quererem fazer ioga. 

“Neste momento procuramos acima de tudo a sustentabilidade, é importante que o nosso espaço possa ser um espaço sustentável e depois crescer e chegar à nossa comunidade. Como temos a possibilidade das aulas presenciais ou online, estamos um pouco por todo o mundo.”

Carregue na galeria para ficar a conhecer melhor o espaço.

FICHA TÉCNICA

  • MORADA
    R. Rodrigues Lapa 23B, 2845-132 Amora
    2845-132 Amora
  • HORÁRIO
  • De segunda-feira a quinta-feira das 8h30 às 20h30
  • Às sextas-feiras das 9h às 18h
  • Aos sábados das 9h às 12h30
  • Encerra aos domingos

MAIS HISTÓRIAS DO SEIXAL

AGENDA