fit

Afinal, que relação tem a drenagem linfática com a saúde da mulher?

Ana Mendes, responsável pelo espaço da Unic Clinic no Seixal, responde à questão neste novo artigo de opinião para a NiS.
Fique a par dos riscos e benefícios.

O corpo das mulheres passa por várias mudanças hormonais, fisiológicas e da rotina diária. Por vezes, o sistema linfático comprometido não é diagnosticado com a devida antecedência e logo quando surgem as queixas mais comuns, sobretudo no verão, a fase de inflamação do organismo encontra-se na maioria das vezes num estado avançado.

Quando as clientes procuram a Unic Clinic, as reclamações mais comuns na faixa etária dos 18 aos 74 anos são o facto de, no final do dia, sentirem as pernas parecerem um bloco e ficarem com a zona abdominal inchada. Nesses casos, a drenagem linfática pode tornar-se numa ajuda importante.

Na prática, trata-se de uma técnica de massagem manual (DLM) que tem como objetivo estimular o sistema linfático a eliminar o excesso de fluidos do corpo. Apoiada em evidências científicas, a DLM é reconhecida e indicada para auxiliar vários tratamentos estéticos, além de promover relaxamento e bem-estar. Mas atenção: antes de fazer a DLM é recomendado passar por uma avaliação prévia com um profissional capacitado.

Em princípio, a técnica correta da drenagem linfática manual ou de massagem drenante não causa dor e é feita com movimentos leves e com a pressão exata para estimular a linfa a expulsar o líquido intersticial (toxinas).

Uma drenagem linfática adequada pode ter um papel restaurador nas funções do corpo, eliminando toxinas, evitando os inchaços e melhorando de forma significativa o aspeto da pele. O importante é fazer o procedimento com profissionais qualificados que garantam segurança e os resultados desejados.

O procedimento pode permitir um grande alívio na recuperação após procedimentos cirúrgicos, mas é fundamental ter um parecer médico que informe o momento adequado para se iniciarem as sessões sem correr riscos.

Algumas pessoas percebem logo a diminuição na retenção de líquidos, e com isso, a diminuição de edema e maior sensação de conforto e bem-estar. Com a continuidade das sessões os benefícios vão sendo mais visíveis. São indicadas pelo menos dez sessões e depois ir espaçando, priorizando a manutenção dos resultados.

Afinal, quais são os benefícios da drenagem linfática?

— Ajuda a combater e a evitar o inchaço e a retenção de líquidos;

— Evita a formação de celulites;

— Elimina as toxinas do corpo;

— Colabora no processo de cicatrização de lesões e na recuperação de cirurgias plásticas;

— Melhora a circulação sanguínea, a venosa e a linfática;

— Contribui para uma melhor oxigenação do corpo.

A drenagem linfática é recomendada para vários tipos de público e os objetivos podem ser variados, seja com fins estéticos, mas também para melhorar a saúde e o bem-estar. Assim, grávidas, pacientes que concluíram um tratamento contra o cancro, pessoas que sofreram lesões ou traumatismos ou quem se quer livrar das indesejáveis celulites podem associar este tipo de tratamento a outras práticas do dia a dia, como uma dieta equilibrada e exercícios físicos regulares.

Quais são as contraindicações e cuidados especiais a ter em conta?

Em alguns casos, a drenagem linfática poderá agravar problemas de saúde. Por isso, é importante estar sempre atento às contraindicações e, na dúvida, conversar a respeito do assunto com um médico. Estas são as situações em que a drenagem não é recomendada:

— Pessoas que têm acne severo na pele devem evitar a drenagem linfática, pois o movimento da massagem pode piorar as lesões;

— Feridas abertas também podem evoluir para uma inflamação caso a pessoa se submeta a um tratamento de drenagem.

Mulheres que retiraram gânglios após um diagnóstico de cancro da mama também podem fazer drenagem, mas nestes casos é preciso ter cautela e avaliar com o médico de que forma o procedimento pode ser feito, já que uma técnica mal aplicada pode ser extremamente prejudicial para a paciente.

MAIS HISTÓRIAS DO SEIXAL

AGENDA