fit

A dieta onde pode perder até 3 quilos num mês a comer o mesmo de sempre

Além de emagrecer, o método da nutricionista Jeanette Hyde ajuda a prevenir doenças cardíacas e diabetes.
Não é difícil cumprir o plano.

Levante a mão quem nunca tentou seguir uma dieta rigorosa, mas acabou por desistir e recuperar todo o peso perdido. A boa notícia é que esses dias podem ficar enterrados no passado. Tudo graças à nova dieta de Jeanette Hyde, que é ideal para quem não consegue viver com restrições alimentares. O novo livro da nutricionista britânica chama-se “A Dieta das 10 Horas” e chegou a Portugal no dia 5 de abril. 

O jejum intermitente consiste em intercalar períodos de jejum com períodos de alimentação. Na prática, o objetivo é fazer com que o corpo consuma a gordura que tem acumulada e que, consequentemente, haja uma perda de massa gorda. Este método tem sido associado a inúmeros benefícios, como a gestão de peso, a diminuição da inflamação e até mesmo a reposição dos níveis saudáveis de açúcar no sangue.

A dieta mais conhecida de jejum intermitentes é a 16/8. Ou seja, pode comer ao longo de um período de oito horas e jejuar nas restantes 16 horas do dia. No entanto, um jejum de 16 horas pode parecer difícil de concluir diariamente para muitas pessoas.

Apoiada em vários estudos — como o “Cell Metabolism”, publicado no final de 2020, que concluiu que comer durante um período diário de dez horas é extremamente benéfico para a saúde —, o método de Hyde aposta em comer num período de 10 horas. Pode ser, por exemplo, entre as oito e as 18 horas, ou das 10 às 20 horas.

Idealizado por uma das nutricionistas mais relevantes do Reino Unido, este é um plano fácil, acessível e testado com sucesso por centenas de pessoas de todo o mundo. No livro “A Dieta das 10 horas”,  Jeanette explica como fazer o jejum e dá dicas e exemplos de como outras pessoas se ajustaram ao plano.

Ao longo de mais de 150 páginas, a autora sugere também receitas simples para ajudar a gerir o peso, melhorar a saúde cardíaca, reduzir o risco de diabetes tipo 2 e hipertensão, assim como reforçar o sistema imunitário, com resultados satisfatórios após apenas três meses.

“Achamos que uma janela de dez horas para comer é muito fácil de cumprir. E os resultados são extraordinários, em termos de redução de peso, colesterol mau e pressão arterial”, explica a nutricionista.

Foram analisadas centenas de pessoas com excesso de peso e problemas como pressão arterial alta, excesso de gordura localizada na barriga, níveis de colesterol elevados, e que estavam a tomar medicação para essas condições. Ao seguirem o jejum de 10 horas durante três meses, “os participantes não só emagreceram, como melhoraram bastante os seus problemas de saúde associados ao excesso de peso”, concluiu a autora.

Em média, cada um perdeu cerca de três quilos e houve uma redução média de quatro por cento na medida de cintura. Não lhes foi pedido para reduzirem as calorias ingeridas, apenas que seguissem o regime de comer no período máximo de 10 horas, e jejuar nas restantes 14.

O livro da editora Guerra e Paz já está à venda nas livrarias nacionais e custa 15€.

De seguida, carregue na galeria para descobrir quatro erros comuns cometidos por quem segue a dieta do jejum intermitente.

MAIS HISTÓRIAS DO SEIXAL

AGENDA