cultura

Seixal vai receber um super espetáculo de dança ancestral africana

A performance documental está inserida no programa das celebrações do Dia Internacional da Mulher.
A criadora.

Os mandingas são um dos maiores grupos étnicos da África Ocidental e são caracterizados por serem descentes do Império Mali, por serem maioritariamente muçulmanos e por se encontrarem no território da Guiné e Senegal. São um povo ancestral que guarda um grande baú cultural, incluindo dança e movimentos rítmicos.

Esta cultura pouco conhecida está prestes a chegar ao Seixal, pela mão da enfermeira e formadora de dança Marisa Paulo. Nasceu em Angola, mas logo de seguida veio para Portugal, enquanto ainda era uma bebé. Sempre se interessou nos ensinos de gingados ancestrais, oriundos sobretudo do antigo reino Mandinga.

Depois de várias interações com a tribo e de várias viagens ao continente africano, Marisa prepara-se para apresentar a performance documental “Fragmentos”, um espetáculo de 50 minutos de duração e indicado para maiores de seis anos, onde explora a conexão entre pessoas através dos movimentos.

A partir das vivências partilhadas por mais de uma dezena de mulheres negras residentes em Portugal, Bélgica, Itália e Espanha, a coreógrafa e professora de dança, além de uma recolha biográfica focada em entender como o género e pertença étnico-racial marcam identidades enraizadas em África e construídas na diáspora, irá “criar uma pesquisa documental num processo que tem por objetivo um questionamento sobre identidade, pertença e herança cultural, através do movimento de matriz africana” que, segundo Marisa Paulo, explica as “singularidades que tornam Fragmentos tão plurais”.

Esta performance documental, que será apresentada na Auditório Municipal do Fórum Cultural do Seixal pelas 21h30 do dia 2 de março, está integrada no programa das celebrações do Dia Internacional da Mulher. Como não poderia deixar de ser, esta atividade também integra as comemorações dos 50 anos do 25 de Abril. O objetivo é levar à reflexão e consciencialização de todos os públicos relativamente aos temas da desigualdade e da discriminação económica, social, cultural e política da mulher que ainda subsistem nos dias de hoje.

“O nosso lugar é onde, como e quando quisermos” é o slogan dedicado à campanha das comemorações alusivas ao Dia Internacional da Mulher, que vem reforçar a exigência do cumprimento dos direitos e valores de abril, para a construção de um caminho de maior igualdade e respeito de todas as mulheres.

A programação vai contar com concertos, atividades culturais, dança, encontros e conversas sobre igualdade de género e muito mais. Os eventos vão decorrer entre os dias 2 e 27 de março, sendo que a maioria deles é de entrada gratuita. 

Pode adquirir a sua entrada na bilheteira online BOL (reservas e informações 24 horas: 1820) e nos locais habituais, como no balcão de informações da Biblioteca Municipal do Seixal, de terça a sexta-feira, das 10 às 19 horas; e sábados, das 14h30 às 19 horas; e na bilheteira do Auditório Municipal, que abre uma hora e meia antes de qualquer espetáculo e encerra 15 minutos após o início do mesmo por 6€.

Caso seja um jovem munícipe até 25 anos (inclusive) ou tenha mais de 65 anos, pode levantar os ingressos na própria bilheteira do Fórum Cultural do Seixal de forma gratuita. Se for funcionário da autarquia do Seixal, morador do concelho, bombeiro ou voluntário da Cruz Vermelha do concelho do Seixal, se comprar os ingressos na bilheteira do Fórum Cultural do Seixal terá um desconto de 50 por cento.

Este programa conta com a colaboração da  República Portuguesa – Cultura/Direção-Geral das Artes, Centro Coreográfico da Cidade do Rio de Janeiro, Ponto de Encontro – Casa Municipal da Juventude.

MAIS HISTÓRIAS DO SEIXAL

AGENDA