cultura

Porque é que a Internet está a comparar Cristiano Ronaldo ao Homelander?

Culto da personalidade, narcisismo e incapacidade de lidar emocionalmente com o fracasso são algumas das semelhanças apontadas entre os dois.
O jogador à esquerda e Homelander à direita.

O último jogo da Seleção Nacional contra a Eslovénia, na segunda-feira, 1 de julho, valeu à equipa portuguesa a passagem para os quartos de final do Campeonato da Europa de futebol que está a ser disputado na Alemanha. Apesar da vitória, o grande temas nas redes sociais em todo o mundo foi, mais uma vez, o comportamento de Cristiano Ronaldo dentro e fora de campo. 

Se muitos fãs acreditam que o jogador português deve continuar a ter um papel de destaque na equipa, graças sobretudo ao seu passado; outros tantos defendem que está na altura de deixar o protagonismo para os colegas que são, hoje em dia, melhores do que ele. Este debate tem recebido especial tração durante o Euro por causa das más exibições individuais de Ronaldo e levou uma injeção de esteroides depois de o capitão ter chorado compulsivamente em campo por falhar um penálti.

Tudo junto e começaram a surgir as comparações nas redes sociais entre o melhor jogador português de sempre e Homelander, o super-herói mais famoso da série da Amazon, “The Boys”. A produção foi a mais vista da plataforma no ano passado e, em junho, estreou a mais recente temporada. A história é uma sátira aos filmes de super-heróis previsíveis e cada vez mais saturados devido aos lançamentos constantes de novas produções da Marvel ou da DC Comics.

Ao contrário do que acontece no mundo perfeito dos heróis do cinema, nesta série, os personagens são corruptos, obcecados pela imagem e manipuladores da opinião pública. E nenhum deles é pior do que Homelander, o mais poderoso de todos os super-heróis, numa espécie de espelho maquiavélico do Super-Homem. Ambos voam, lançam raios dos olhos e têm uma força sobre-humana. 

Em “The Boys”, o personagem interpretado por Anthony Starr teve uma infância triste e isolada, o que talvez seja responsável pela sua incapacidade de se conectar emocionalmente com outras pessoas. Embora não tenha tido uma vida tradicional, pretende recuperar alguns momentos perdidos, por isso vai travando algumas batalhas pessoais, no desespero de perder protagonismo ou o estatuto de ser sempre o melhor do grupo. 

Na nova vaga de comparações entre Homelander e Ronaldo, este é um dos temas mais repetidos. Segundo os defensores da bizarra teoria, esta sede narcisista notou-se, por exemplo, no facto de o jogador de 39 anos querer marcar todos os livres diretos durante o jogo contra Islândia. E nota-se quando o Homelander quer que a sua estratégia de comunicação reafirme a sua liderança sempre que os outros super-heróis salvam alguém. 

Ainda assim, convém recordar que Homelander é um tirano, um vilão, que governa toda a gente com base no medo e na força. E há uma razão: o personagem de Anthony Starr realmente tem habilidades avassaladoras que lhe dão quase um livre passe para fazer o que quiser, quando quiser. 

Isto não seria uma questão se alguns dos seus companheiros se impusessem e quisessem tomar as rédeas da situação — o que não acontece na famosa série e pelos vistos, na opinião dos críticos, também não acontecerá na Seleção Nacional, uma equipa onde as outras estrelas como Bruno Fernandes ou Bernardo Silva não conseguem fugir da sombra do melhor marcador de sempre de Portugal. 

MAIS HISTÓRIAS DO SEIXAL

AGENDA