cultura

Marcelo D2, Eu.Clides e Eskorzo juntam-se ao Festival do Maio

Entre os dias 19 e 20 de julho, o Parque Urbano do Seixal vai receber este grande evento com entrada gratuita.
O rapper brasileiro Marcelo D2.

Esqueça os bilhetes a 80€ para ver grandes artistas. No Seixal, a cultura é muito valorizada e, para todos conseguirem aproveitar ao máximo alguns dos melhores talentos mundiais, a Câmara Municipal fez com que o Festival do Maio fosse, novamente, de entrada gratuita.

Entre os dias 19 e 20 de julho, o Parque Urbano do Seixal vai acolher quatro concertos de peso, dois em cada dia do evento. As portas vão abrir às 19 horas em ambos os dias, pelo que Manu Chao será o primeiro artista a tocar, no dia 19 de julho, com uma performance acústica.

Se existe um músico que podemos considerar um artista do mundo é Manu Chao. Não só pelo sucesso que a sua música conquistou a nível global, mas também pelo facto de escrever canções e cantá-las, em diversas línguas, como francês, inglês, castelhano, catalão, português, grego e outras.

A lendária banda de Granada, Eskorzo, é quem vai tocar logo de seguida no mesmo dia. Este grupo criou uma sonoridade única baseada em estilos diversos, passando pelo rock, o ska, o reggae, o funk e os ritmos africanos e latinos — que vão do afrobeat à cúmbia, por exemplo — estão prestes a cumprir 30 anos de carreira.

Em 2023 editaram o oitavo álbum “Historias de amor y otras mierdas”, em que continuam a experimentar e a refrescar a sua sonoridade e a escrever abertamente sobre questões sociais e políticas. No dia seguinte, 20 de julho, será Marcelo D2 a abrir as portas do Festival do Maio com uma atuação inesquecível. É um rapper percursor do hip-hop made in Brasil, do som pesado e letras interventivas que abordam assuntos como a discriminação social e a liberdade de expressão.

Desde que iniciou a carreira a solo, há 26 anos, com o álbum “Eu tiro é onda”, que Marcelo D2 trabalha as batidas do rap com incursões no samba. E é esta festa que Marcelo traz ao Festival do Maio, uma festa em que também cabem os grandes êxitos da sua carreira como “Desabafo”, “Eu já sabia” ou “Pode acreditar”, entre outros.

O mapa do recinto.

Por fim, Eu.Clides vem dar o último espetáculo do festival com música portuguesa. Nascido em Cabo Verde e a viver atualmente em Paris, interessou-se cedo pela música, iniciando os estudos de guitarra clássica no Conservatório de Aveiro com apenas oito anos.

Antes de iniciar a carreira em nome próprio, acompanhou o grupo senegalês Daara J Family em digressão e, mais tarde, fez parte do grupo da cantora cabo-verdiana Mayra Andrade, artista que ouvia desde miúdo e cujo concerto foi o primeiro na vida para o qual comprou bilhete.

Em 2023 editou o primeiro álbum, “Declive”, que recebeu os maiores elogios da crítica e o levou em digressão por todo o País, culminando com as primeiras partes dos concertos de Slow J na Altice Arena e um espetáculo em nome próprio no Teatro Tivoli, em Lisboa. À semelhança das edições anteriores, os videopoemas, gravados por artistas de diferentes áreas — cantores, atores, escritores — pontuarão os espaços nos intervalos entre as atuações.

Para ir até este festival cheio de estilo, confira a nossa galeria e veja quais foram os conjuntos e looks que as celebridades portuguesas escolheram para usar no Rock in Rio.

ver galeria

MAIS HISTÓRIAS DO SEIXAL

AGENDA