cultura

A artista brasileira que faz lettering (e o design mais original em caixas personalizadas)

Pode pedir-lhe para decorar uma parede na sua sala, preparar uma caixa decorada com uma mensagem ou fazer uma placa com os pratos do dia.
Um dos trabalhos.

Música, dança e teatro são algumas das artes mais conhecidas pelos portugueses. No entanto, existem outras formas de expressão menos conhecidas que também começam a ganhar adeptos em Portugal, como é o caso do leterring, que pode ser definido como a arte de desenhar letras.

Não há muitos artistas deste tipo de arte conhecidos, mas há quem espere ser. A arte sempre fez parte da vida de Nivia Viana, com 30 anos, mas só recentemente é que se dedicou, em exclusivo, ao lettering. “Sempre gostei desta veia artística e desde pequena que começava a desenhar as letras de uma forma diferente”, explica a brasileira à New in Seixal. 

A paixão pelo lettering continuou enquanto crescia, mas não era uma área que existisse como forma de trabalho na sua juventude. Ainda assim, aproveitava o tempo livre para desenhar letras e fazia trabalhos por puro prazer ou então para amigas que lhe pediam. Houve até um momento no percurso académico, onde na disciplina de desenho, pensou que iria ser estilista —  uma situação que não veio acontecer, até  porque a vida profissional tomou outro rumo.

Em 2017, veio em conjunto com o marido para Portugal, à procura de uma experiência no estrangeiro, mais concretamente na Europa. “Queríamos sair do Brasil e como na Europa a arte é um bem tão conceituado, pensamos que poderia ser uma boa hipótese.” Como já tinham um casal de amigos que moravam em Portugal, optaram por procurar casa aqui. Após uma experiência de dois anos em Lisboa, mudaram-se para o Seixal.

A pandemia obrigou a uma mudança de rumo

Nesse ano ainda tentou trabalhar em lettering como um passatempo, mas não teve procura suficiente e acabou por ter que ir para um restaurante, como ocupação principal. “Há muitas pessoas que ainda não conseguem olhar para isto como se fosse  arte”. O restaurante onde trabalhava fechou em novembro e esteve nos últimos meses a pensar se devia avançar com o lettering, uma arte que sempre apaixonou a brasileira.

Acabou por comprar um curso de uma artista conhecida no meio para se especializar ainda mais, ao mesmo tempo que vai fazendo alguns trabalhos. Embora no Brasil seja um tipo de arte mais reconhecido, Nivia não tem receio de apostar no lettering em Portugal. “Agora, elas no Brasil estão também a virar influencers, como forma de promoverem o seu trabalho.”

Pode também ser do Sporting.

O preconceito é também um dos maiores problemas nesta área. Muitos portugueses (e não só) não vêm o desenho de letras como um trabalho sério e que tenha de ser pago. “O lettering é a forma de desenhar letras, de todas as formas que podemos imaginar.” Há dois tipos de forma de praticar esta arte, nomeadamente de forma manual ou até recorrendo a programas de computador, que tornam mais fácil, por exemplo, utilizar um desenho numa camisola.

Nivia faz vários tipos de trabalhos, desde caixas personalizadas, a quadros e até paredes, quer sejam de restaurantes ou até de casas de clientes. Os preços variam consoante o material e o trabalho, mas, por exemplo, um desenho numa parede pode ficar por 100€, enquanto uma caixa pequena pode custar 15€.

Um dos trabalhos mais recentes foi no Pavlova Caffé, um dos espaços mais instagrammáveis, onde Nivia, em junho, fez algumas placas decorativas deste local. “Todos podemos aprender esta arte e não é preciso ter uma letra bonita para o fazer, basta querer.”

Carregue na galeria para conhecer o portefólio desta artista brasileira. 

 

MAIS HISTÓRIAS DO SEIXAL

AGENDA