cultura

A seixalense que conquistou o “Big Show SIC” vai lançar um novo videoclipe

Ana Margarida partilhou com a New in Seixal novidades da carreira e reviveu histórias do programa apresentado por João Baião.
A artísta.

Os convidados da mesa de Natal podem ser apenas familiares, mas existem pessoas que gostam de quebrar tradições e levar amigos e conhecidos para celebrarem a época. Foi o caso de Ana Margarida que, por mera coincidência, trouxe o Macaco Adriano do “Big Show SIC” à sua mesa da Consoada.

“Como o meu pai tem um talho na Cruz de Pau, houve um Natal em que o dito Macaco Adriano passou por lá para ir buscar algumas peças de carne para fazer em casa. O meu pai perguntou-lhe onde ia passar o Natal e ele disse que ia ficar sozinho. Ele acabou por convidá-lo para vir cá a casa. Ele adorou o bacalhau, como é brasileiro não têm essa tradição, e até fizemos uma música juntos na aparelhagem lá de casa”, conta Ana Margarida à New in Seixal.

Desde muito cedo que Ana começou a revelar a sua paixão pela música. Quando tinha cinco anos, os pais aperceberam-se que gostava de cantar as músicas que ouvia regularmente no rádio ou no gira-discos. Em casa da avó, ouvia temas de Cidália Moreira, Amália Rodrigues e fado de Coimbra, entre outras canções tradicionais. Por influência do pai, passou a gostar de Scorpions, Dire Straits, Roberto Carlos e Julio Iglesias.

Nas festas da escola, oferecia-se sempre para cantar. No entanto, foi só em janeiro de 1993 que pisou o palco pela primeira vez, a pedido do pai, na Sociedade Filarmónica Operária Amorense. Depois do sucesso da primeira atuação, foi convidada para cantar mais vezes e também em espetáculos na S.F.O.A. Chegou a cantar, inclusive, nas Festas Populares de Amora a convite do cantor Alex.

Passados alguns anos, Ana Margarida envolveu-se mais profundamente com o estilo do fado. O pai ofereceu-lhe uma cassete de Amália Rodrigues e ela apaixonou-se completamente pela voz da artista. Em 1994, foi convidada a cantar num espetáculo de homenagem a Amália, nos Paços do Concelho de Lisboa, transmitido em direto pela TVI.

Nesse mesmo ano, surgiu a oportunidade de participar num casting interno da SIC, o canal da televisão nacional com maior audiência na época, para representar Portugal no conhecido programa infantil, “Bravo Bravíssimo”, em Itália. O tema escolhido, por ser mundialmente conhecido, foi “Uma Casa Portuguesa”. A emissão foi para o ar na época de Natal, o que lhe deu mais visibilidade. Depois disso, recebeu várias solicitações para fazer espetáculos de norte a sul do País.

Todos estes fatores abriram-lhe as portas para que, em 1998, Ana entrasse no programa de entretenimento com maior audiência da época, o lendário “Big Show SIC”. Aqui, venceu a competição em nome do Seixal e recebeu como prémio uma ambulância para os bombeiros do concelho.

A partir daí, continuou o caminho no mundo da música e agora, com 41 anos, está de regresso com um novo videoclipe. O tema, que será lançado no dia 19 de abril, é um fado sobre a época dos Descobrimentos portugueses. Esta música tinha sido lançada, em 2023, integrada no álbum “Fado ao Piano” mas, depois de Ana se ter encontrado com o artista seixalense Miguel Nogueira, decidiu que era necessário fazer um videoclipe para a faixa “Lisboa Amargurada”.

“Esta música é um tema que as pessoas já conhecem, achei que faltava a imagem. Neste fado, falo dos Descobrimentos, da época em que as caravelas partiam e Lisboa ficava triste. Correu tudo bem nas gravações, até porque o dia estava nublado e tinha a atmosfera ideal”, conclui.

“Lisboa Amargurada” terá três minutos e três segundos e chega ao YouTube no dia 19 de abril. Promete ser mais uma grande conquista da artista natural da Amora.

MAIS HISTÓRIAS DO SEIXAL

AGENDA