compras

O jovem barbeiro que trata os clientes como amigos abriu um novo espaço

Os moradores de Fernão Ferro passam a ter mais uma opção para cortar o cabelo ou fazer a barba.
O responsável.

A ida ao barbeiro é quase como um ritual de passagem de pais para filhos. A lealdade é obrigatória neste área e, por norma, o local onde se corta o cabelo é sempre o mesmo. Ainda assim, continuam a surgir novas opções. 

O Beto Barber Studio é novo local para os homens do concelho irem cortar o cabelo, fazer a barba e até pôr a conversa em dia. “Penso que é uma área sempre em crescimento e no confinamento surgiu a oportunidade de ter o meu espaço e decidi aproveitar”, conta-nos Roberto Cordeiro, com 22 anos. 

Nascido e criado em Fernão Ferro, pensou que seria o local ideal para ter o seu primeiro espaço. A ligação a este universo começou mais cedo, tendo em conta que a mãe é cabeleireira. Apesar de nunca ter ligado muito aos cortes de cabelo, chegou a uma fase da vida em que começou a querer ter formação nesta área. Foi isso que aconteceu quando tinha 18 anos.

Agora, precisou de apenas dois meses desde o momento em que encontrou o espaço até abrir as portas no dia 20 de março. “Tive algum receio, mas qualquer altura pode ser boa e pode ser má. Se não formos para a frente, qualquer altura pode ser má.”

A nova barbearia não quer substituir outro espaços, mas sim tornar o conceito da barbearia em algo mais moderno. “A diferença é a maneira de trabalhar, porque é mais técnica. Gosto muito de explicar aos meus clientes o que estou a fazer e porquê é que o estou a fazer.”

Um barbeiro com um toque moderno

Este espaço não é igual à nova onda de negócios de barbeiros que, além dos cortes de cabelo, servem cafés ou fazem jogos com os clientes — tudo no mesmo local. Por aqui, Roberto só faz trabalho de barbearia.

Os preços dos cortes de cabelo começam nos 12€ e vão até aos 20€. Há também a possibilidade de fazer madeixas ou tratamentos capilares, com valores mais altos.

Angariar clientes numa área onde a lealdade é máxima poderia ser uma tarefa complicada, mas não parece estar a ser assim. “Já cheguei a um ponto em que os meus clientes se tornaram meus amigos e com os quais sou capaz de ir jantar fora.”

O jovem quer ainda dar formação a futuros barbeiros. “Por exemplo, o barbeiro onde eu cortava o cabelo, estava sempre a trabalhar e não tinha tempo para me ensinar. Acabei por ir para uma escola onde não conhecia os formadores.” 

O espaço.

MAIS HISTÓRIAS DO SEIXAL

AGENDA