compras

Menopausa: o que acontece no corpo feminino durante esta transformação hormonal?

Ana Mendes, responsável pelo espaço da Unic Clinic no Seixal, explica tudo sobre este estado neste novo artigo de opinião para a NiS.
Fique a par de tudo.

A mulher que se encontra na menopausa deve estar consciente de que se encontra em mais uma etapa da sua vida, sem qualquer tipo de conotações pejorativas. O aumento da esperança de vida na nossa sociedade fez que um terço da vida da mulher atual decorra no climatério — o nome científico dado à transição fisiológica do período reprodutivo para o não reprodutivo na mulher. É importante, assim, conscientizá-las de que o momento em nada é sinónimo de velhice.

Na prática, a menopausa é a cessação definitiva das menstruações. Trata-se de um vocábulo proveniente do grego (men, significa mês; e pausi, interrupção) que habitualmente designa todo o conjunto de alterações que organismo feminino apresenta durante a etapa em que começa a desaparecer a sua capacidade reprodutora.

Biologicamente, a menopausa inicia-se após a última menstruação da mulher, geralmente acontecendo entre os 45 e os 55 anos. Este é um período marcado por grandes mudanças na vida da mulher. Além das ondas de calor, tonturas, insónias, mudanças de humor, ressecamento vaginal e incontinência urinária, outra das mudanças percebidas — e que muito incomoda o sexo feminino — é o aumento de peso.

Afinal, que alterações podem acontecer no organismo feminino?

Uma das consequências naturais do envelhecimento é o metabolismo mais lento, o que, combinado ao sedentarismo e à alimentação inadequada pode levar ao aumento da gordura corporal e, consequentemente, ao ganho de peso.

Perante o facto de o metabolismo desacelerar, está outra consequência comum: a perda da tonificação muscular, sobretudo quando a mulher não pratica exercício físico, como a musculação. Uma vez que os músculos queimam mais calorias do que a gordura, essa mudança também contribui para a mulher engordar na menopausa.

A queda do estrogénio é outro dos fatores que são consequências naturais desta fase hormonal nas mulheres. Com a redução das suas taxas, a gordura corporal (chamada de gordura androide ) passa a estar concentrada principalmente no abdómen. Assim, o corpo da mulher deixa de ter o predomínio da gordura ginóide, que se deposita nas coxas e no quadril, em forma de pera, e passa a ter um padrão mais comum aos homens, em forma de maçã.

Quanto a isso, através do exame Densitometria de Corpo Inteiro para avaliação de massa corporal, é possível quantificar as taxas de gordura androide e o tecido visceral adiposo. Este é um exame rápido, com baixíssimas doses de radiação, e que é essencial para acompanhar a acumulação desse tipo de gordura.

Principais problemas de engordar na menopausa

O ganho de peso associado a uma vida sedentária e alimentação desregulada pode levar a uma série de consequências graves, tais como a hipertensão, o aumento do açúcar no sangue, o aumento do colesterol ruim (LDL) e dos triglicéridos, bem como a chamada Síndrome Metabólica.

Isto da Síndrome Metabólica, por sua vez, está relacionado com a Diabetes tipo 2 e com o aumento do risco de ocorrência de doenças cardiovasculares, como o ataque cardíaco e os acidentes vasculares cerebrais (derrames).

A gordura androide que mencionamos acima também é igualmente prejudicial, estando relacionada a outras doenças como a diabetes e doenças cardiovasculares. Por isso é tão importante o acompanhamento médico nessa nova fase de modo que ela seja vivenciada de forma saudável, com vista sempre a melhorar a qualidade de vida.

Perder peso na menopausa

Geralmente os tratamento iniciam-se com uma orientação de alimentação saudável, reduzindo carboidratos e gorduras saturadas, procurando a ingestão adequada de cálcio e indicando a prática de exercícios físicos por pelo menos 30 minutos e cinco vezes por semana.

Como foi alertado, ocorre na menopausa a redução da tonificação muscular, sendo importante a prática de exercícios que contribuam para o aumento da massa muscular. Importante dizer que a redução da gordura corporal também diminui as hipóteses de surgirem doenças como o cancro da mamã e do endométrio.

Desta forma, muito além das preocupações com os padrões estéticos relacionados com o peso, a saúde como um todo agradece a prática de atividades físicas e uma alimentação balanceada.

A questão hormonal da menopausa

Com o início da menopausa, é importante considerar a reposição hormonal do organismo. Recorde-se que a terapia de reposição hormonal deve ser discutida com o ginecologista e pode ser muito benéfica na qualidade de vida da paciente. Além disso, a necessidade de medicamentos para redução do colesterol deve ser avaliada por um cardiologista.

Já se sabem que não são poucas as transformações sentidas por uma mulher na fase da menopausa. Por isso, é imperativo ter cuidado também com a saúde mental. Muito além do monitoramento de peso, cuidar de si significa valorizar a sua trajetória até ao dia de hoje, aceitando as mudanças naturais do tempo e amando-se cada dia mais pelo que é (e se está a tornar).

MAIS HISTÓRIAS DO SEIXAL

AGENDA