comida

Marialma já reabriu — e agora tem um novo conceito de bar e restaurante

A carta foi totalmente renovada. Além disso, há muita música para ouvir até às duas da manhã.
Serve almoços, jantares e ainda se prolonga pela noite dentro.

Estar à frente de um projeto de restauração não é fácil. Existem sempre os contratempos, as dificuldades de gerir o negócio e uma série de circunstâncias que podem ditar o seu fim. No caso do Marialma a situação não foi tão dramática, já que no dia 6 de maio voltou a abrir as suas portas.

Depois de uma proposta feita pelos antigos proprietários, Job António, que já era o anterior gerente do restaurante, decidiu assumir ele as rédeas de um dos espaços de maior sucesso na freguesia de Corroios, no concelho do Seixal. Em pouco tempo, Job criou as condições necessárias para fazê-lo e acabou por encontrar um sócio, com quem partilha a gestão do Marialma, Carlos Lopes, mais conhecido por Calu.

“O que fez com que a reabertura fosse muito mais demorada foi o facto de termos recebido uma equipa toda nova, termos criado um conceito também alternativo e ainda por termos feito algumas alterações no espaço”, explicou à New in Seixal, Job António, o atual proprietário.

Neste momento, o Marialma junta num só espaço dois conceitos que, na opinião de Job, são “importantes para a zona de Corroios”: a restauração, sobretudo na parte do jantar; e o lado mais noturno. Isto significa que além de servir almoços e jantares, o Marialma tem agora uma vertente de lounge bar, aberto toda a semana até às duas da manhã, com música ao vivo e DJ convidados.

Os clientes estão a adorar o novo conceito do Marialma.

Por exemplo, no dia tão esperado da reabertura subiu ao palco o artista Isaías Manhiça e ao comando da mesa de som esteve o DJ Alanito. “A parte de bar foi o caos, no bom sentido, recebemos mesmo muitos clientes”, confidenciou com a NiS Job António. Contudo, já esperava que assim acontecesse. Ao que parece as pessoas já sentiam realmente falta do Marialma. 

O anseio dos seixalenses (e não só) era de tal forma grande que o vídeo divulgado online, onde se anunciava a reabertura do espaço, atingiu em 48 horas cerca de 11 mil visualizações “Parece que os clientes esperavam mesmo esta reabertura. É claro que isto fez com que nesse primeiro dia tivéssemos a casa completamente cheia”, conta Job.

As surpresas na nova carta do Marialma

“Sinceramente acho que tudo o que neste momento servimos à mesa é um grande destaque”, começa por descrever o proprietário. Na verdade, praticamente todas as propostas que constam na ementa têm sido bem recebidas pelo público que tem por hábito frequentar o restaurante Marialma.

Contudo, há sempre um ou outro prato que está a fazer mais sucesso. É o caso, nas entradas, do pica-pau do lombo (14€) ou do pica-pau de camarão (12€). Já nos pratos principais, destaque para a costela (45€), cozinhada a baixa temperatura e que se desfaz do osso ao mais pequeno toque; e a barriga de porco crocante com sour cream (14€).

A tábua Marialma (120), que faz parte de um conceito de partilha, e que junta degustação de carnes e de camarão salteado, é também uma boa opção. Serve cerca de seis pessoas. Para os vegetarianos estão disponíveis três propostas: massa trufada (16,50€), linguini do mar (14€) e strogonoff de cogumelos (13€).

No peixe, sugerimos o bacalhau com broa (18€) e o linguado salmonier (24€). Para a parte final da refeição, destacamos o crème brûlée de matcha (6€), a panna cotta (5€) e ainda o folhado de chocolates (6€), que junta no mesmo prato chocolate de avelã e chocolate branco.

Quanto ao bar, recorde-se que no Marialma um dos produtos de maior sucesso — e pelo qual a casa era também conhecida — era a sangria. De acordo com o que partilhou com a NiS Job, este foi mesmo o produto mais vendido ao longo do ano passado. Por isso, a sangria Marialma de maracujá e manga continua na lista de bebidas a consumir obrigatoriamente no espaço. Mas, com a reabertura, chegaram novidades.

“Neste momento temos uma nova sangria de igual qualidade, que é a sangria de melancia. Tem sido muito bem aceite pelos nossos clientes. E temos outra novidade nos tamanhos. Nós conseguimos ter sangria de dois, quatro, seis litros ou um jarro de oito litros, que mais parece um aquário. O champanhe ou o espumante da sangria é sempre servido na mesa. Ou seja, quando saem essas sangrias nós colocamos uma espécie de prato da sopa na mesa e depois derrubamos o espumante à frente dos nossos clientes”, esclarece, por fim, o responsável pelo Marialma.

FICHA TÉCNICA

  • MORADA
    Av. Vale de Milhaços n.º 125, 2855-387 Corroios
    2855-387 Corroios
  • HORÁRIO
  • Segunda a sexta-feira, das 16 às 2 horas
  • Sábado, domingos e feriados, das 12 às 2 horas
PREÇO MÉDIO
Entre 20€ e 30€
TIPO DE COMIDA
internacional

MAIS HISTÓRIAS DO SEIXAL

AGENDA