comida

Já fomos provar a receita de francesinha antiga (não se vai arrepender)

A novidade chegou à cidade com o Festival das Francesinhas — pode experimentar a sandes típica portuense até 10 de junho.
É feito à base de lombo de vaca.

Atualmente, em qualquer restaurante do País, conseguimos provar uma francesinha com as melhores carnes de vaca e um molho especial. Porém, nenhuma casa especializada em francesinhas partilha a receita tradicional da sandes típica do Porto, confecionada na altura em que existiam poucos recursos financeiros.

No entanto, no Festival de Francesinhas do Seixal, o restaurante portuense Alicantina decidiu mostrar a todos os seixalenses como era feita a francesinha no tempo dos nossos avós. Esqueça o bife de vaca e prepare-se para sentir o sabor do lombo entre as fatias de pão de forma. Como é uma carne mais barata, acabou por ser muito utilizada nas francesinhas.

Agora, por apenas 10€, pode ir ao Jardim do Fogueteiro, até ao dia 10 de junho, e dirigir-se ao restaurante Alicantina para pedir a francesinha à moda antiga. O espaço só apresenta um tipo de molho, não existe a opção sem picante, mas garantimos que não é forte, apenas serve para dar gosto.

Esta versão é acompanhada com batatas fritas cortadas de forma fina, as quais pode mergulhar no molho. Apesar de ser carne da zona do lombo, a francesinha é ótima e a carne é bem tenra. A dose é bem servida e garantimos que não vai ficar com fome nem muito cheio. Mesmo sendo fácil de cortar, aconselhamos a que tenha cuidado, já que algumas mesas balançam um pouco e o molho pode sair do prato.

Os restantes ingredientes são iguais aos de uma francesinha normal, ou seja, muito queijo e uma mistura de sabores característicos do norte de Portugal. “Esta francesinha tem sido um sucesso e acreditamos que seja uma das favoritas e mais pedidas aqui no Seixal”, diz Francisco Freixinho, organizador do festival, à New in Seixal.

À semelhança dos anos anteriores, estarão disponíveis os pratos tradicionais e ainda a versão vegan, vendida pela Santa Francesinha, ideal para quem adora o sabor da francesinha, mas não come carne. É feita então à base de tomate, cebola, curgete, cogumelos Portobello, chouriço picante e salsicha vegan, um bife de seitan e queijo vegetal. O molho também é feito com um preparado de legumes.

Os restaurantes aderentes são a Alfândega Douro, Cufra, Alicantina e a Santa Francesinha. Todos estes espaços já marcaram presença em eventos anteriores e regressam em 2024 para um evento com melhores condições e num espaço diferente, já que antes era realizado na zona ribeirinha da Amora.

“Além do cheiro, era uma zona que, por vezes, ficava bastante ventosa. Com o crescimento do evento, tivemos de encontrar outro espaço. Falámos com a Câmara Municipal do Seixal e rapidamente nos disponibilizaram o Jardim do Fogueteiro. Com certeza, ficarão todos a ganhar com esta alteração”, confessa.

Nesta nova zona do festival, existem muitos lugares de estacionamento e é impossível resistir ao cheiro quando se passa lá perto. Existem mais mesas e bancos, bem como chapéus de sol para atenuar o calor que se tem feito sentir nestes últimos dias.

“As cozinhas eram um dos aspetos negativos do nosso festival: o tempo de espera. Agora, conseguimos garantir que isso não se voltará a repetir. Com o aumento das cozinhas e do serviço, vamos conseguir sentar 450 pessoas ao mesmo tempo e fazer com que todos tenham uma boa refeição”, acrescenta.

Além das francesinhas, tal como no ano passado, vai poder experimentar os cachorros. Assim que chega ao recinto, existe uma caixa central para pagar a refeição e só depois decidir a que restaurante pretende ir. O preço é igual para todos: 10€ pelas francesinhas tradicionais e 13€ pelas que são feitas em forno a lenha. O recinto vai estar aberto todos os dias, entre o meio-dia e as 15 horas e das 19 horas às 22h30.

 
 
 
 
 
Ver esta publicação no Instagram
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

Uma publicação partilhada por FESTIVAL DE FRANCESINHAS (@festivaldefrancesinhas)

 

MAIS HISTÓRIAS DO SEIXAL

AGENDA