comida

Esta pastelaria com mais de 10 anos também já serve almoços

A Pérola da Torre existe na Torre da Marinha desde 2006 e, por causa da pandemia, teve que se reinventar.
São artesanais.

A emigração para o Brasil não é uma coisa propriamente rara. Embora, na maioria dos casos, os portugueses não regressem para trabalhar (e apenas para a reforma), há sempre exceções à regra. O pai de Carla Gonçalves, de 42 anos, emigrou para o outro lado do Atlântico com apenas 16 anos, mas regressou a Portugal em 2006 para criar o seu próprio negócio na Torre da Marinha.

“O meu pai sempre esteve ligado ao mundo da restauração e quando voltou para Portugal deixou um negócio que ainda hoje está na família no Brasil, e começou um novo no concelho”, explica-nos a filha do fundador da Pérola da Torre da Marinha. Um ano depois do regresso do pai, Carla veio com o marido para Portugal tomar conta do negócio familiar e deixou de parte a sua formação de fisioterapia para se dedicar por inteiro a este espaço.

O pai acabaria por ter que regressar ao Brasil para resolver problemas com a padaria e Carla tomou as rédeas do negócio em 2010. Como foi quase criada nesse espaço brasileiro, foi natural a decisão de ficar com o espaço que o pai criou em Portugal. “Apesar da minha formação, como estava ligada a este mundo por causa do meu pai, acabou por ser o passo certo a tomar.” O pai acabaria, porém, por falecer em outubro do ano passado.

A mudança de atividade para sobreviver

Desde 2010 até ao início da pandemia, o foco do negócio foi sempre o pão e os bolos. “Sempre trabalhamos muito bem, especialmente ao fim de semana, sendo que às vezes nem havia lugar para as pessoas poderem estar sentadas”. Até aqui, nunca pensaram que este tipo de negócio deixaria de funcionar. 

No entanto, cedo perceberam que era um tipo de serviço que não funcionava com os novos tempos. “Ninguém pede uma torrada para comer em casa ou uma meia de leite”. O tipo de clientes que normalmente tinham não eram fáceis de chegar, através de entregas ao domicílio ou de take-away.

“Os portugueses têm muito o hábito de tomar o pequeno-almoço fora de casa” A Pérola da Torre da Marinha funcionava como um café de bairro e com as portas fechadas no primeiro confinamento, foi preciso mudar. Essas alterações chegaram, no entanto, apenas com este confinamento. Criaram um menu novo, compraram equipamento e basicamente melhoraram o serviço.

Há muitos pratos novos.

Nesta ementa, o destaque vai para a comida portuguesa, mas também há influências de culinária brasileira, como não podia deixar de ser. Pode comer, por exemplo, os filetes com arroz de tomate, os lagartos com arroz de feijão ou o clássico bitoque. Aos sábados, o destaque vai para a feijoada, quer a brasileira como a transmontana.

Apesar de haver estes pratos mais elaborados, também há hambúrgueres artesanais. Feitos com carne 100 por novilho, a responsável assegura serem de elevada qualidade. As tostas são também uma opção mais ligeira para comer, por exemplo, à noite. “Nada disto seria possível sem a cozinha da minha mãe”.

Além disso, estão agora disponíveis em plataformas de entregas em comida, como a Uber Eats. Os clientes mais antigos não aderiram ainda muito a este nova vertente, mas já conseguiram captar mais pessoas do Seixal.

FICHA TÉCNICA

  • MORADA
    R. António Faria de Vasconcelos 2-6, 2840-400 Arrentela
    2840-400 Torre da Marinha
  • HORÁRIO
  • De quinta-feira a terça das 07h às 20h
  • Encerra às quartas
PREÇO MÉDIO
Entre 10€ e 20€
TIPO DE COMIDA
Portuguesa

MAIS HISTÓRIAS DO SEIXAL

AGENDA