comida

Esta brasileira faz cookies caseiras com recheio

Tem a versão clássica com nutella, mas também há a opção com o famoso brigadeiro.
Têm recheio de chocolate.

Pode ter sido o receio que levou a que Juliana Sicherolli, de 29 anos, se decidisse aventurar pelo mundo da culinária, mas a cozinha sempre fez parte da sua vida. Agora partilha com o mundo as suas experiência através da CaJu Cookies, o mais recente negócio de bolachas recheadas do Seixal. 

“Eu tirei um curso em formação de eventos no Brasil e lá tinha uma componente de culinária”, conta-nos. Quando veio para Portugal em 2018, mudou um pouco a sua área de influência e foi trabalhar para o departamento de naturalização de cidadãos, que como ela saíram do seu país de origem para procurar uma vida diferente na Europa.

Com a pandemia e após ter sido mãe, percebeu que queria trabalhar a partir de casa e não queria regressar ao escritório. “Tinha algo medo e fui tentar perceber o que é que poderia fazer a partir de casa”. 

Como sempre gostou de comer bolachas e, ainda por cima, estão na moda em Portugal, viu que poderia ser uma área de interesse. Começou a pesquisar e percebeu que não havia ninguém que vendesse na Margem Sul cookies recheados. “Uma amiga minha estava a fazer e eu decidi experimentar também. ” No início dia 3 de abril abria oficialmente a CaJu Cookies. 

Chocolate com côco.

Embora não existam muitos negócios que façam este tipo de produtos, com a exceção das grandes marcas como a Starbucks ou Subway, Juliana garante que tem um produto diferenciador. “Os recheios são também muito únicos, como o recheio de beijinho”. 

É no sabor que está a maior aposta, visto que utiliza ingredientes deliciosos e que prometem agradar aos mais gulosos. Pode optar, por exemplo, pela cookie brigadeiro de nido, a prestígio, composta por brigadeiro com côco, ou a clássica com frutos vermelhos, ou de nutella, que agrada a muitos clientes. Todas as bolachas custam 2,50€.

Por enquanto, os clientes brasileiros têm sido os clientes mais fiéis. “Os portugueses que compraram gostaram muito”. Isto pode ser explicado tendo em conta as opções serem mais viradas para o público brasileiro. Este público está mais habituado a experimentar sabores como o de brigadeiro. 

As encomendas são feitas através do Instagram, mas tem de ir levantar o produto à casa de Juliana, em Santa Marta do Pinhal. Se tudo correr como previsto, haverá entregas ao domicílio em breve. “Como é um negócio tão pequeno não tenho ninguém que faça entregas para mim”. 

MAIS HISTÓRIAS DO SEIXAL

AGENDA