comida

Estas bolas de Berlim são uma pequena dose de felicidade (e chegam ao Seixal)

Tem a versão sem e com creme, mas há muito mais sabores para descobrir. Cada uma custa 1,5€ e pode comer em casa.
O aspeto é incrível.

Há poucas frases tão memoráveis como “Olha a bolinha! Há com creme e sem creme”, sobretudo se pensarmos nas praias portuguesas. No entanto, este doce tão caraterístico português não é, na verdade, nacional.  Como o próprio nome indica, a bola de Berlim tem origem alemã — e a história da sua chegada a Portugal remonta ao período da Segunda Guerra Mundial, mais concretamente de 1939 e 1945. 

Nessa altura, milhares de judeus fugiram para Portugal, para viajarem para outros países, como os Estados Unidos ou Israel. No entanto, durante o período em que viveram por cá, trabalharam em espaços como pastelarias e começaram a vender estes doces germânicos. Por sua vez, os pasteleiros portugueses criaram uma versão da bola de Berlim. Originalmente, este doce era feito com creme ou marmelada, mas em Portugal passou a ser feito com o recheio de doces de ovos, tal como muitos outros doces portugueses.

Agora, e com a chegada de mais uma época balnear, voltam as famosas bolas de Berlim às praias portuguesas, mas não só. Ainda que tenha três praias fluviais no concelho para dar mergulhos, se quiser ir até o mar ainda terá uma viagem de 20 a 30 minutos de carro — e se a sua principal motivação é comer bolas de Berlim não precisa de ir tão longe, até porque as bolinhas do Baiano já chegam a sua casa.

António Júnior, com 23 anos, e mais conhecido como baiano, é o responsável por estas bolas de Berlim que têm feito sucesso em praias como a Fonte da Telha. “Antes de trabalhar com as bolas de Berlim, trabalhei numa pastelaria onde conheci os bolos e um pouco da pastelaria”, explica o jovem à New in Seixal.

Após este experiência, decidiu ir até ao Brasil, a sua terra natal, para aprofundar os seus conhecimentos na área. Esta viagem, que foi feita em pretexto de férias, acabou por ser bastante útil para o brasileiro, visto que aproveitou para conversar com pasteleiros e visitar algumas pastelarias. 

A mistura da tradição brasileira com a portuguesa 

“Fui acrescentando o conhecimento adquirido em Portugal com o da Bahia, de forma a produzir uma bola de Berlim com uma qualidade superior e que pudesse destacar-se das demais.” O resultado final foi uma bola de Berlim com uma massa que não é muito fina nem grossa e tem um recheio que não é oleoso nem enjoativo.

Quando regressou em 2019 começou a produzir esta receita e foi oferecendo bolas aos amigos para ter uma opinião sincera — e que permitisse fazer as melhorias necessárias. A opinião foi positiva, por isso seguiu-se a fase seguinte: vendê-las na Fonte da Telha nesse mesmo verão. “Foi um sucesso que nos surpreendeu de imediato, ao ponto de termos vários clientes que esperam ansiosamente pelas nossas bolas de Berlim.”

Este verão, o jovem brasileiro quer ter ainda mais clientes, por isso está a apostar nas redes sociais. O Instagram das Bolinhas do Baiano está disponível desde 26 de junho, onde o responsável partilha várias fotografias dos diferentes sabores. 

Pode experimentar a bola de Berlim clássica, isto é, com creme ou sem creme — mas também há sabores inovadores. As outras opções incluem a bola com chocolate e Nutella, morango, maracujá, laranja, doce de leite, Oreo ou Kinder Bueno. Existem até bolinhas de alfarroba para quem quiser comer uma versão mais saudável.

Se não estiver na Praia da Fonte da Telha, pode fazer o seu pedido através do Instagram ou Whatsapp. Basta escolher o tipo de massa e o recheio que quer para a sua bola de Berlim. Não precisa de pagar mais que 1,5€ por unidade e as entregas no Seixal são gratuitas, ou seja, só paga as bolas.

“As bolinhas do Baiano são boas todo o ano e promete não prejudicar na dieta, até porque elas conservam a beleza natural.”

As várias opções.

MAIS HISTÓRIAS DO SEIXAL

AGENDA