comida

A batalha entre irmãos que criou os cereais mais famosos do mundo

Os irmãos Kellogg inventaram os célebres corn flakes mas, pelo caminho, deram origem a uma guerra familiar.
É o cereal mais famoso do mundo

Kellogg’s, o nome é sinónimo de cereais de pequeno-almoço, os corn flakes que se espalharam pelo mundo e que até hoje nunca precisaram de tradução. Menos conhecida, no entanto, é a batalha familiar que está na origem da empresa que se transformou num império.

A história da Kellogg’s remonta a 1834, quando John e Ann Kellogg se estabeleceram no estado do Michigan. O casal teve dois filhos, John Harvey e Will Keith, educados sob as regras rigorosas da religião dos pais, convertidos à Igreja Adventista do Sétimo Dia.

John, o mais velho, tinha apenas 16 anos quando se tornou editor da revista mensal criada pelos fundadores da igreja. Nela, promovia-se recorrentemente um estilo de vida livre de vícios e de produtos que eram vistos como pecado: o consumo de carne, de tabaco, café, chá, álcool ou qualquer tipo de drogas.

O jovem tornou-se num fanático cumpridor das regras religiosas do culto, motivado também pelos seus diversos problemas de saúde, que o forçaram a adotar uma dieta rigorosa.

A educação e formação eram vistas pelos pais dos irmãos Kellogg como um capricho. Ainda assim, John acabou por se formar em medicina, formação que usou para promover ainda mais um estilo de vida de acordo com as proibições da Igreja.

Haveria de se tornar, anos mais tarde, no diretor de um sanatório que procurava curar todas as maleitas com uma dieta restrita. Só que a alimentação providenciada aos doentes era descrita como “altamente monótona” e, para contornar o problema, John e a mulher começaram a testar novos produtos alimentares à base de cereais.

Foi por um acaso que, em 1898, criaram uns pequenos flocos de milho tostado, que foram aperfeiçoando. Envolvido no dia a dia do sanatório estava também o irmão Will, responsável pela contabilidade.

É aqui que a história ganha outros contornos. Os cereais tornaram-se num verdadeiro sucesso entre os moradores do sanatório e antigos pacientes, que recebiam os cereais pelo correio. Mas quem criou afinal os corn flakes?

O processo terá envolvido todos os membros da família e o crédito da invenção acabaria por ser controverso, sobretudo entre os dois irmãos. John, mais preocupado com a promoção de um estilo de vida saudável, ignorava a componente comercial do negócio. Já Will, mais empreendedor, procurou levar o produto a todos os cantos dos Estados Unidos.

Os corn flakes e outros produtos eram comercializados pela Sanitas Food Company, criada por ambos. O sucesso da fórmula levou a que, pelo país, começassem a surgir imitações. Perante a falta de ambição de John — que pretendia apenas servir o produto a pacientes seus —, Will decidiu agir e criar a Battle Creek Toasted Corn Flake Company.

Contrariamente ao irmão, Will tinha olho para o negócio e começou a investir fortemente em publicidade. O choque era inevitável e surgiu por causa do uso do nome de família no produto, que ambos pretendiam. Foi Will quem garantiu, nos tribunais, os direitos do nome e rebatizou a empresa como Kellogg Toasted Corn Flake Company.

A crescente fama da empresa de Will irritou John, que acabaria por levar o irmão a tribunal, não só por causa do uso do nome de família, mas também para impedir que reclamasse para si a invenção dos corn flakes.

Os egos chocaram e seguiram-se anos de batalhas judiciais que afastaram de vez os irmãos Kellogg. Tornaram-se inimigos de morte.

A separação levou a consequências desastrosas para a empresa de John, que sem o controlo de contas de Will, acabou por falir. Por outro lado, o negócio de Will floresceu e em 1922 tornou-se na Kellogg Company, nome que ainda hoje mantém intacto.

John Kellogg acabaria por enveredar por um caminho polémico. Continuou a promover um estilo de vida saudável e, apesar de ter sido pioneiro em muitas inovações dietéticas que se viriam a provar estarem corretas, abraçou também o perigoso conceito da eugenia.

Durante as últimas décadas de vida, fundou a Fundação para o Melhoramento da Raça, que promovia as ideias de superioridade racial. Para Kellogg e os seus colegas, a humanidade deveria almejar ao melhoramento da identidade genética dos humanos, através da segregação de pessoas tidas como inferiores — minorias, etnias não brancas ou apenas homens e mulheres que cederam aos vícios do alcoolismo. No mesmo saco eram colocados os pobres, os criminosos e os vistos como sexualmente promíscuos.

A teoria, completamente desacreditada após o desastre da II Guerra Mundial e a Solução Final apresentada pelos nazis, deixou a sua marca nos Estados Unidos. E uma mancha negra no legado de John Kellogg.

Por outro lado, a empresa de Will revolucionou o pequeno-almoço dos norte-americanos e, mais tarde, de todo o mundo. Os corn flakes tornaram-se um produto presente em quase todas os lares. Quando Will morreu em 1951, aos 91 anos, a Kellogg era a líder mundial no setor. Hoje, os produtos da Kellogg’s são líderes.

MAIS HISTÓRIAS DO SEIXAL

AGENDA